O processo de coaching : uma jornada de transformações profundas

November 21, 2016

 

O antropólogo Joseph Campbell ao estudar os mitos, identificou um padrão existente entre eles marcado por uma jornada cíclica. Esse padrão foi denominado a “Jornada do Herói”. A visão de Campbell traz consigo o conceito arquetípico elaborado por Jung.  Se analisarmos as histórias de Prometeu, Osíris, Buda e Jesus Cristo podemos perceber uma estrutura comum que sustenta essas narrativas.

            Ok! E você deve estar perguntando o que coaching tem a ver com isso?

Posso responder que tudo.  Alguma linhas da psicologia evidenciam que o ser humano busca sentido e que nessa jornada passa por obstáculos, desafios até conseguir atingir uma sensação de plenitude. Com a experiência dos atendimentos de coaching fica evidente que existem alguns padrões em relação aos questionamentos de carreira e jornadas percorridas.

            Assim, trago por meio de uma ilustração uma relação entre a jornada de herói e o processo de coaching. Detalho abaixo cada uma dessas etapas.

 

            Todo processo de coaching envolve uma jornada entre a zona de conforto, zona de tensão e zona de pânico do cliente. A zona de conforto (como o próprio nome diz) é o ponto no qual a pessoa se sente confortável, segura e adaptada. O típico caso da pessoa que está em determinado cargo há anos e tem vontade de mudar, mas prefere não mudar porque já conhece a empresa, tem a confiança do gestor, salário garantido e etc... Ou seja, ela quer ficar na sua zona de conforto. A zona de tensão é o ponto em que a pessoa decide se movimentar, arriscar um pouco e partir em direção ao que faz mais sentido para ela. Já a zona de pânico é o ponto em que muitas vezes o individuo fica paralisado por não se sentir capaz de lidar com um desafio muito grande ou quando as pessoas o desencorajam dizendo: “Você está louco de fazer essa mudança!”?

            Bom, agora vamos entender como na jornada do herói o individuo percorre essas três zonas. Um trabalho belíssimo da jornada do herói foi feito por Beatriz del Picchia e Cristina Balieiro na obra “O Feminino e o Sagrado - mulheres na jornada do herói”. Esse detalhamento tem como fonte o  trabalho desenvolvido por elas.

 

  1. O ponto 1 da jornada do herói é chamado de “Mundo Cotidiano”: aqui é a nossa zona de conforto, o mundo em que vivemos e atuamos normalmente.

  2. O ponto 2 da jornada do herói é denominado “Chamada a Aventura”: aqui vivemos uma sensação de desconforto conosco e com a vida que estamos levando e percebemos que algo diferente tem que ser buscado, mesmo não sabendo ainda o que. Contudo, ainda estamos resistentes e nos falta coragem para atender esse chamado. Então, ficamos com “um pé” na zona de conforto e outro na zona de tensão.

  3.  O ponto 3 da jornada do herói é conhecido como “Recusa ao chamado”:  aqui muitas vezes resistimos ao chamado porque estamos apegados a certas escolhas, ao passado e a identidade construída. Como uma pessoa que estudou direito na melhor universidade, tem mestrado na área e emprego em um dos melhores escritórios irá deixar tudo isso para trás e seguir um sonho? Ou ainda, frequentemente sabemos o que não queremos mais, mas não sabemos ainda o que queremos. Responder ao chamado, em geral, não é nada fácil. E para nos defender,  fingimos não perceber esse chamado, minimizamos sua força, desviamos nossa energia para outros interesses. É comum a pessoa estar insatisfeita com um trabalho e se engajar em um novo projeto dentro dele para “abafar” esse incômodo.  Todavia essa estratégia só funciona a curto prazo, nossa essência continua com aquele desejo latente. O perigo aqui é vivermos abaixo do nosso potencial e não nos tornamos quem deveríamos ser. Assim, voltamos para a zona de conforto.

  4. O ponto 4 é a “travessia do primeiro limiar”: é uma etapa de ação e cruzamos efetivamente a zona de conforto em direção a zona de tensão. Entramos na zona de tensão com “os dois pés”.  Já aceitamos a inevitabilidade da mudança e partimos em busca de respostas para questões que o chamado nos colocou. O importante é que a pessoa procure o novo, aquilo que ela ainda não conhece, ainda não viveu, ainda não experimentou. Aqui, geralmente existe a busca por um processo de coaching.

  5. O ponto 5 é o “encontro com o mestre”: a pessoa percebe que não conseguirá ficar na zona de tensão sozinha e precisa de alguém para apoiá-la. Então, ela continua na zona de tensão, mas com um mentor ao lado. Esse mentor pode ser o coach, um terapeuta ou alguém que já experimentou o novo caminho que ela quer trilhar. O mestre é uma espécie de modelo, alguém que apoia a jornada e nos motiva a seguir a nossa.

  6. O ponto 6 é o “aprendizado”: a pessoa permanece um bom tempo na zona de tensão. É necessário adquirir novos conhecimentos e desaprender antigos para entrar nesse novo mundo. Há muito o que aprender ao longo de uma jornada. A pessoa está aprendendo a lidar com as questões que o chamado lhe trouxe. O aprendizado deve ser buscado ativamente. É a curiosidade de aprender e conhecer o que não se sabe que move a pessoa. Exige tempo, dedicação, esforço e disciplina. Por exemplo, alguém que está há 20 anos na área de direito, terá que se esforçar e dedicar muito para aprender gastronomia e empreendedorismo (se o seu sonho for ser chef do próprio restaurante).

  7.  O ponto 7 é o “a travessia de novos limiares”: aqui o cliente começa a testar seus limites e colocar o pé, algumas vezes, na zona de pânico. Agora é possível arriscar mais. Talvez seja necessário fazer uma mudança de rumo para que a transformação aconteça (mudar de cidade, trocar de área, mudar de empresa, fazer uma nova graduação e por ai vai). Ou ainda isolar-se a fim de reconectar com sua essência (fazer um sabático, um retiro ou algo mais reflexivo). E aqui que o cliente frequentemente irá ouvir: “Nossa! Mas você vai fazer isso mesmo?”, “Você está louco?” “Como você fará essa transição de carreira?”, “Tem um amigo meu que fez isso e deu tudo errado!” e outras afirmações que podem desencorajá-lo. Aqui, o coach tem um papel fundamental ao ajudar o cliente a perceber suas forças e talentos e assim avaliar se ele está entrando realmente numa zona de pânico (ainda não tem habilidade e competência para assumir os desafios) ou numa zona de tensão expandida (desafios maiores que podem trazer a sensação de flow por testar habilidades).

  8.  O ponto 8 é a “situação limite”: aqui o cliente entra na zona de pânico com os dois pés. As dificuldades se intensificam demais. Por exemplo, a pessoa que largou o emprego no escritório de advocacia para seguir a área de gastronomia, passa por um período de aridez financeira e precisa reduzir drasticamente seus gastos e rever estilo de vida. Ou seja, é preciso fazer algum sacrifício para que a transformação ocorra. É um momento “divisor de águas”: antes era assim, agora é outra coisa.

  9.  O ponto 9 é  “bliss/flow”: aqui o cliente não está em nenhuma das zonas.  É o pote de ouro no final do arco-íris. É uma experiência de êxtase que traz significado para a vida. É aquilo que nos faz sentir que finalmente encontramos o que buscávamos a vida toda e não sabíamos bem o que era. É como se achássemos a nossa forma de expressão do mundo. É aquilo que a gente sente que nasceu para fazer, como se estivéssemos “em casa”. Não há separação entre a pessoa e seu trabalho.

  10.   O ponto 10 é “o caminho de volta”: aqui voltamos para a zona de tensão, já que encontramos dificuldades em encontrar um lugar para exercer o que aprendemos na jornada. O caminho de volta nunca é fácil. Depois do êxtase do encontro com a “recompensa”, há que se reaprender a viver a vida cotidiana, porém preservando toda a transformação pessoal que a jornada trouxe. É necessário reconstruir a vida. Há um risco de viver um período de extrema solidão: aqueles que nos rodeavam não nos reconhece mais e ainda não temos novas pessoas afinadas com quem nos tornamos.

  11.  O ponto 11 é o “ressignificado”: aqui o cliente está com um pé na zona de tensão e outro na zona de conforto. Ele precisa resignificar sua jornada para voltar para a zona de conforto. Caso não faça isso, ficará preso na zona de tensão o que pode ser ser cansativo. É uma fase de introspecção e reflexão na busca de uma nova visão sobre si, sobre o outro e sobre o mundo. A opinião dos outros passa a ter muito menos importância do que seguir o que a alma nos pede. Encontramos um novo centro dentro de nós mesmos, paradoxalmente mais humilde diante do grande mistério da vida, porém mais equilibrado. Mais do que “vítimas” do destino, sentimo-nos protagonistas da nossa história.

  12.   E por fim , o ponto 12 é a “dádiva ao mundo”: aqui estamos na nossa zona de conforto e nos sentimos plenos para compartilhar o que aprendemos com o mundo. Voltamos muito diferentes para zona de conforto do que quando saímos dela. A dádiva ao mundo é o tesouro que o viajante descobriu e traz para compartilhar com todos. O desafio dessa etapa é construir, no sentido prático, essa dádiva, o “produto” que se vai oferecer aos outros, mas que também expresse a pessoa e sua jornada. E uma das principais dádivas  que a pessoa pode oferecer é o fato de ela mesma ter feito a jornada e, por isso, conhecer o caminhos e orientar e inspirar os outros.

 

            Enfim, a jornada do herói nos mostra que o processo de transformação do ser humano é exigente e desafiador. É possível perceber que na essência, a maior parte de nós deseja percorrer esse caminho e por isso somos tão parecidos quanto aos nossos desejos mais profundos. Cabe a cada um nós escolher se passaremos a vida toda na etapa 1, presos em nossa zona de conforto ou se nos arriscaremos a percorrer essa jornada de profunda transformação.

 

            E ai? Já identificou em qual etapa você está nessa jornada chamada vida? Compartilhe aqui!

 

 

Please reload

Featured Posts

Desejo que em 2018 você viva cada dia como um “ano novo” e não se sabote achando que num passe de mágica o ano vai mudar e tudo será diferente.

December 29, 2017

1/9
Please reload

Recent Posts
Please reload